Seus e-mails são realmente eficientes? Seis dicas editoriais que podem alavancar a taxa de leitura da sua newsletter

Confira seis dicas editoriais que podem alavancar a taxa de leitura da sua newsletterSabe quantos e-mails, em média, uma pessoa recebe por dia? Segundo a Radicati Group, empresa de Palo Alto, na Califórnia, que realiza pesquisas de uso dos meios tecnológicos da informação, esse número impressiona. Pasme: em 2017, um cidadão pode receber diariamente algo em torno de 90 e-mails. E esse número tende ao crescimento, conforme o estudo E-mail Statistics Report, 2015-2019 publicado pela entidade.

Se parar para pensar, caso trabalhe com o envio de newsletters, a sua mensagem possivelmente concorrerá diariamente com outras 90, que recheiam as caixas de entrada de milhares de destinatários. Fazendo uma analogia, trava-se uma competição muitas vezes bem maior do que a relação candidato-vaga vista em muitos vestibulares concorridos do país.

Diante desse cenário, em um artigo publicado no Content Marketing Institute (CMI), o especialista em marketing digital Sujan Patel ressalta alguns pontos fundamentais para que o seu e-mail tenha mais chances de se destacar dentre tantos outros. As seis dicas abaixo não se referem às práticas comuns a quem lida com o envio de e-mails, como higienização periódica da base de contatos, testes A/B, identificação de palavras negativas, etc. Elas focam exclusivamente em linhas editoriais. Vejamos a seguir o que pode ser melhorado no conteúdo dos seus próximos e-mails:

1) Somente envie e-mail quando realmente tiver algo para dizer

Essa é a regra-mãe. Parece óbvio, mas muitos não respeitam essa prerrogativa básica. A pior coisa do mundo é você não ter assunto, ou encher lingüiça com algo que realmente não é interessante (os mais inteligentes percebem essa estratégia rasa. Cuidado!). Por terem ansiedade em querer cercar o usuário, algumas empresas priorizam quantidade à qualidade. O pensamento é simples: traga algo relevante, que o resto tende a se desenrolar com mais facilidade.

Só lembrando que muitos jornais e sites de notícias sofrem dessa questão de ter algo interessante para dizer todos os dias. Quem se lembra do Caetano Veloso estacionando seu carro no Leblon? Enfim, bom senso nunca é demais!

2) Seja simples e foque em poucos tópicos

Nesse caso, menos é mais. Se você quer informar seus assinantes, ou compartilhar algum conteúdo novo, escolha um tópico e fique com ele. Sujan Patel lembra em seu artigo que uma boa prática é não empilhar tantos conteúdos no corpo do e-mail para não gerar trabalho ao destinatário em filtrar o que interessa. Aqui vai uma dica: se quer incluir tópicos adicionais, faça os mencionando brevemente após o corpo principal da mensagem. A ideia é facilitar a vida das pessoas : )

3) Concisão no título e no corpo do e-mail

Este tópico tem relação direta com o citado acima. Ser conciso não significa necessariamente ser econômico nas palavras, e sim não fazer rodeios ao passar uma mensagem. Para Sujan Patel, poucas pessoas querem ler e-mails de 500 palavras, independentemente da qualidade da escrita. Ele destaca que é preciso aprimorar a capacidade de resumir informações. No caso dos títulos, recomenda-se escrever chamadas convincentes, que atraiam os leitores a clicar e a descobrir mais.

4) Atenção à redação e ao estilo

Quando se trata de e-mails, conteúdo também é rei. Aqui, voltamos aos fundamentos dos manuais de redação de grandes jornais. Tenha em mente que erros de português afetam diretamente a credibilidade e confiança de seus assinantes. Esse é um fator importante. Somado a isso, e dependendo do caso, ser informal demais, buscando no e-mail uma aproximação por meio de uma humanização sem estratégia, ou linha editorial sem consistência, também pode ser algo que deponha contra. Se você não é um excelente redator, busque conhecimento, ou contrate um revisor com experiência em copy para auxiliá-lo.

5) Ofereça algo realmente vantajoso

Seja sincero: quantos e-mails de ofertas são realmente vantajosos? Embora exista um momento e um lugar para disponibilzar ofertas, Sujan Patel lembra que fazer isso com muita frequência por e-mail (caso tenha um comércio eletrônico, ou trabalhe para um) pode submeter o seu público a uma “fadiga de oferta”. Se isso acontece com muita frequência, não somente suas “promoções” perderão o valor, como seus assinantes começarão a ignorá-las, ou, até mesmo, e como pior cenário, a cancelar suas assinaturas. Afinal, como o autor bem destaca, se você está sempre executando uma “oferta especial”, que ela seja realmente especial. Caso contrário, caímos no erro do item 1.

6) Equilibre entre ofertas e conteúdos educativos

Em vez de empurrar somente ofertas para a sua base de assinantes, equilibre os e-mails focados em vendas com outros que contenham conteúdo educacional. Sendo assim, Sujan Patel recomenda usar boa parte dos seus boletins informativos para promover conteúdo que ajude seus assinantes, reservando os e-mails de vendas para ofertas que sejam genuinamente excelentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *